sábado, 10 de novembro de 2007

Correntes...

Hoje acordei muito cedo (quase ontem).
Não gosto da palavra insónia. Um grande amigo, carinhosamente, diz que esteve “com a Sónia”. Insónia é uma palavra desagradável. Nunca me preocupo muito com ela, se me assola, levanto-me e gosto de ficar a remexer, nos meus livros, nos meus filmes, nas minhas fotografias, nos meus “papelinhos”. Gosto de estar na minha sala, com a minha música a ver o dia nascer.
Da minha janela, tenho a sorte de ver a serra de Sintra e o recorte do Palácio da Pena, lugares especiais da minha infância. Sou uma afortunada, há uns meses levei lá uns amigos espanhóis e enquanto palmilhava o Castelo dos Mouros (agora pago), lembrei-me das mil e uma tardes em que a minha mãe ficava a ler no carro e eu e os meus amigos corríamos soltos por entre muralhas e guaritas a brincar aos príncipes e às princesas (outros tempos).
“As conversas são como as cerejas”, e sentei-me eu aqui para escrever um post sobre correntes! Aquelas que se recebem na Net e nos acontecem desgraças imensuráveis se as quebrarmos. Lembrei-me também que quando era “aborrescente”, no tempo em que ainda nem se sabia o que era um computador, nem fotocópias e as correntes chegavam por carta, tinha uma amiga que as respeitava e meticulosamente as copiava com uma letra redondinha, com receio de alguma intempérie. Certamente ficou com uma caligrafia melhor que a minha. Detesto correntes e similares.
Numa destas noites, a viajar à boleia de diferentes olhares deste nosso mundo, por entre blogues sugeridos, encontro uma “corrente”, num blogue de que gostei especialmente (
http://ruialme.blogspot.com/). Senti-me desafiada e lanço aqui também o desafio.
Não, não vos acontece nada de mal se mandarem a corrente às ortigas!

Regras:
1. Pegue no livro mais próximo, com mais de 161 páginas – implica aleatoriedade, não tente escolher o livro;
2. Abra o livro na página 161;
3. Na referida página procurar a 5.ª frase completa;
4. Transcreva na íntegra para o seu blogue (ou para este) a frase encontrada;
5. Aumente, de forma exponencial, a improdutividade, fazendo passar o desafio a mais cinco bloggers à escolha.

Eu deixo aqui a minha:
"Eu pensava que este Whisky era excelente até que você me disse que não." In O Quinteto de Buenos Aires. Manuel Vásquez Montalbán. pp 161. (não, não estava na hora de serviço).
E passo a outros 5, por exemplo: Téllo, Embirrante, Luzinhas, Antó(nimo), Museólogo... se estiverem para aí virados... ou a outros.

Quem sabe se com uma das frases se começa uma boa história, numa noite de insónia ao som do fantástico Keith Jarrett, em “The melody at nigth, with you” que passa aqui neste momento...

4 comentários:

unresigned disse...

" E se rebentasse uma guerra a sério entre o Japão e a União Soviética, Hitler poderia responder invadindo a Polónia ou a Checoslováquia".

in Crónica do Pássaro de Corda, de Haruki Murakami

Teka disse...

Fiquei com curiosidade para ler o livro :-)

sétima luzinha disse...

"E então?"
in O Sétimo Selo, de José Rodrigues dos Santos

Embirrante disse...

Tarefa cumprida! :-)